segunda-feira, 20 de abril de 2009

As aparências enganam

Um é o maior artilheiro da história das Copas, foi eleito 3 vezes o melhor jogador do mundo, é milionário e tem um dos rostos mais conhecidos do mundo ao lado do Papa e do presidente dos EUA. A outra é uma paupérrima desempregada escocesa de 47 anos que tem dificuldades de aprendizagem por falta de oxigenação no cérebro durante o nascimento, jamais teve um namorado e passou a vida cuidando da mãe doente. Um abismo separa as realidades de Ronaldo e Susan Boyle. A pressa em julgar e ridicularizar alguém aproxima Ronaldo de Susan Boyle. O pique do Fenômeno no segundo gol do Corinthians contra o São Paulo deixou para trás, além do zagueiro Rodrigo, qualquer dúvida sobre seu poder de superação. Dúvida que pairava com maior intensidade sobre a cabeça de um dirigente do São Paulo que dias antes da decisão chamou Ronaldo de "ex-jogador". Susan Boyle se apresentou em um programa que revela cantores e cantoras na tevê da Inglaterra. Foi menosprezada por jurados e platéia que riram de suas respostas titubeantes. Aos primeiros acordes da música " I dreamed a dream" havia gente chorando embasbacada com o talento da moça. A apresentação, elogiada de forma unânime por críticos ao redor do mundo, já foi vista incríveis 100 milhões de vezes na internet. Os joelhos e a cintura larga de Ronaldo, a voz e a feiura de Susan Boyle mostram o risco do preconceito, do pré-julgamento e da intolerância com o diferente .

3 comentários:

  1. Realmente eu vi Susan Boyle ser redicularizada.Depois,freneticamente aplaudida. Foi emocionante.

    ResponderExcluir
  2. Ainda me admira que existam pessoas capazes de pré-julgarem outras, sem ter o menor embasamento!
    Sem conhecer,sem saber... sem nada!
    É uma pena! Pois é essa pessoal fútil, sem sensibilidade e VAZIA, que terá todo sentimento negativo de volta à ela mesma. A Lei de causa e efeito NAO fallha nunca.

    ResponderExcluir
  3. Superação... todos nós podemos superar qualquer obstáculo e, por mais dificuldades físicas ou mentais que possam apresentar nossos semelhantes, muitas vezes podem fazer melhor do que nós que gozamos de melhores condicionamentos físicos (exceto este que vos escreve), de saúde e mental.

    O pré-julgamento tem destas coisas: um tiro no pé!

    ResponderExcluir